COPYWRITING

Quem realmente gosta de se expressar com palavras, vai se dar muito bem sendo um copywriter. Desde século 18 jornalistas e impressores já utilizavam o termo para diferenciar quem trabalhava com escrita de anùncios dos redatores jornalísticos. Apesar de ser traduzido muitas vezes como redação publicitária, o copywriting é bem diferente disso.

O que é?


Estamos falando de uma técnica de produção de conteúdo focada em conversão. Essa técnica é utilizada para influenciar o leitor à realizar uma ação - o famoso call to action. O copywriter traz uma forte intenção de venda, mesmo que seja para te vender uma ideia, com embasamento em dados de marketing, uso de triggers mentais (gatilhos) e algumas maneiras para eliminar a dúvida. Em uma copy (texto para conversão) o objetivo de provocar uma reação no usuário fica muito mais claro.

Copywriting é realmente a mesma coisa que redação publicitária?

O copywriting praticamente surgiu da redação publicitária mas a diferença está nos objetivos de cada um. O copywriter tem como objetivo promover ações diretas de atração e vendas. Isso significa que durante toda a jornada do leitor será necessário uma atitude como fazer o download de um conteúdo específico, ler um novo post, assinar uma newsletter ou qualquer outra ação que foi estabelecida em sua estratégia.

Já a função do redator publicitário trabalha na concepção de um conceito criativo. Ele pensa em como deixar a comunicação de um produto, serviço ou marca mais assertiva sem precisar gerar uma venda imediata.

Os dois tipos de redação são bem complementares porém existem essas pequenas diferenças que acabam nos confundindo na hora de analisar as necessidades de um negócio.

Quais as principais técnicas de copywriting?

Existem muitas técnicas diferentes para aplicar ao copywriting mas hoje listamos as principais.


Gatilhos Mentais

A primeira delas é o uso de Gatilhos mentais. Os gatilhos são mecanismos do nosso cérebro que tornam mais rápido o processo de decisão. De acordo com o best seller “ As Armas da Persuasão” , de Robert Cialdini, nosso comportamento é governado por 6 princípios fundamentais da psicologia que nos levam a uma ação: reciprocidade, coerência, aprovação social, afinidade, autoridade e escassez.


  • Reciprocidade: A tendência é de retribuir favores e tratar as pessoas da mesma forma que nos trata, o ser humano tem a tendência natural a responder uma ação positiva com outra ação positiva.

  • Coerência: O princípio da coerência defende que, ao termos um compromisso com algo, a tendência é agirmos de acordo com o compromisso assumido.

  • Aprovação social: o gatilho da aprovação social conclui que somos influenciados pelos outros em nossas decisões e, quanto mais pessoas optam por algo, mais as outras são levadas a tomar a mesma atitude. É natural do ser humano essa coisa de “ser sociável”, fazer parte de um grupo ou uma comunidade.

  • Afeição ou Afinidade: é o princípio psicológico que afirma que temos uma tendência a se conectar psicologicamente com quem se parece com a gente, seja por medos, angústias, habilidades e características parecidas.

  • Autoridade: esse gatilho sugere que o ser humano tende a confiar mais em quem tem mais experiência, trazendo mais credibilidade e respeito.

  • Escassez: é um gatilho que acionamos de maneira rápida quando estamos em posição de perder algo ou algo raro , nosso cérebro tenta evitar essa sensação e reage de forma emocional.

Integração de dados ao copywriting A segunda técnica é integrar o copywriting com os dados de marketing, assim o copywriter pode conhecer o público alvo mais a fundo, como suas preferências , valores, dados psicográficos entre outros. Assim sua escrita estará mais direta na hora de alcançar seus objetivos.

Não utilize a voz passiva

A terceira é usar a voz Ativa ao escrever. Ela é mais interessante e concisa, aumentando a capacidade de persuasão do texto. Ao facilitar o raciocínio, o leitor se sente mais motivado e compreende a mensagem mais rápido. Por exemplo, repare na frase com voz passiva: “Este bolo foi feito por Mariana”. Agora veja na voz ativa: “Mariana fez o bolo”. Viu a diferença? A segunda é muito mais simples de compreender.

Desperte emoções

A quarta técnica é despertar emoções positivas, uma boa vantagem na hora de escrever uma copy. Nós somos movidos pelas emoções e quando elas são despertadas de maneira agradável acabam reduzindo as objeções. Ao conhecer adequadamente as características do seu público (olha a segunda técnica aí) você escreverá uma copy mais descontraída e estimulante, uma ótima maneira de desarmar o leitor, facilitando também o convencimento.


Como vocês viram até aqui, as técnicas do copywriting direcionam para praticamente o mesmo objetivo: a conversão.

Tenha em mente que um copywriter não pode usar de informações falsas, as regras estabelecidas pelo Procon e pelo CONAR também são aplicadas ao Copywriting.

O importante é sempre trazer informações verdadeiras e ser franco com seu público.

Esperamos que isso possa ajudá-los na hora de escrever suas próximas copys. Até mais.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo